Domingo de Natal

Hoje é Natal! Para os cristãos a data é especial, comemora-se o nascimento do filho de Deus, que veio à Terra para mostrar o caminho da salvação. Mas independente da religião, o Natal possui tantos outros significados simbólicos. Vamos primeiro separar o joio do trigo; há o Natal dos que saem correndo, de última hora, para comprar presentes, os mais baratos ou mais fáceis, para cumprir tabela no jogo do amigo secreto. Há também aqueles que respiram fundo, tomam fôlego para passarem a noite junto de pessoas que fazem parte do mesmo bando, sem necessariamente haver afinidade. Há o Natal dos que sofrem de solidão, dos que estão distantes das pessoas amadas, dos que perderam um amor para a vida ou para a morte. Há os que não se mobilizam minimamente com essa data, os que não crêem, por medo ou cansaço. Mas, para todos esses e tantos outros, não há a presença do espírito do Natal, é só mais uma data festiva, onde pode-se comer e beber à vontade.

O espírito de Natal é um sopro que toca os que estão de coração aberto e disponíveis para o encontro. No presépio, o filho de Deus é uma criança, um menino deitado sobre a manjedoura. O espírito natalino tem a ver com as crianças, que deixam-se levar pela magia e pelo encanto, que acreditam que Papai Noel vai entrar pela janela e trazer a concretização dos seus desejos. Tem a ver com o renascimento da nossa criança interior, que depois de ficar escondida debaixo do peso de um ano inteiro de trabalho e batalhas de todas as ordens, espreita novamente o horizonte, levanta-se, quer brincar, comemorar, sonhar e acreditar no sonho de um mundo onde pode-se olhar para o outro e reconhecê-lo como um aspecto nosso, uma parte de nós, que por ser diferente nos complementa, nos convida a conhecer outro universo, a trilhar outros caminhos. Um mundo onde a família não é bando, mas grupo, formado de pessoas que compartilham da mesma ancestralidade, que caminham juntas pela jornada da vida, apoiando-se e aprendendo, nos erros e nos acertos, nos encontros e desencontros, mestres uns dos outros, cuja troca de experiências constrói uma possibilidade de ampliação de consciência e expansão da energia amorosa.

Essa energia amorosa é um esboço da energia Crística, de amor e sabedoria, compaixão e perdão, que o menino Deus representa. O Natal traz a possibilidade de reacendermos a chama dessa energia que vive em nossos corações, de incendiá-la para que ganhe vulto, cresça e aqueça o coração de todos que estão ao nosso redor. E quem está ao nosso redor? Engana-se o que pensa só na família e nos amigos, a humanidade inteira está ao nosso redor, estamos inseridos nela, e ela em nós. E a humanidade está inserida na Terra, e esta no Sistema Solar, e este em uma galáxia vizinha a tantas outras galáxias, e portanto, o Universo inteiro compartilha dessa expansão amorosa.

Natal é consciência Crística, somos todos energia luminosa, fagulhas de amor à espera do despertar. Que possamos contatá-la e distribuí-la pelos quatro cantos, pelos quatro elementos e através dos quatro compromissos: a impecabilidade da palavra, a consciência de não levar nada para o lado pessoal (o mundo não gira ao redor de nós), não tirar conclusões (isso nos leva a evitar os julgamentos pessoais), e dar o melhor de si, sempre. Talvez esse possa ser um dos caminhos que nos leve de encontro ao tão sonhado mundo melhor, que não será deixado debaixo da árvore pelo Papai Noel, mas que pode ser construído por nós em cada momento precioso de nossas vidas.

À todas vocês, Feliz Natal!

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Um comentário em “Domingo de Natal”

  1. Ler sua crônica do Natal foi como se a gente tivesse se encontrado ontem, dia em que muitas pessoas que se amam não conseguiram se ver e nem se falar. Que bom que abri seu blog e me senti tão perto de você .Adorei! Abraço Ana?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *