A tecnologia e o olhar

O mundo tecnológico é algo realmente fantástico, principalmente para a nossa geração que cresceu sem esse recurso. Para as crianças e adolescentes de hoje ela é “carne de vaca”, faz parte do dia-a-dia, e eles sequer conseguem imaginar que o mundo já existiu sem ela. Mas nós sabemos que sim. Sabemos porque somos de um tempo onde, para se comunicar com alguém que não estivesse por perto, precisávamos usar o telefone, ou escrever cartas, se a pessoa estivesse mais distante, e isso demandava um longo processo. Se quiséssemos uma informação precisávamos buscá-la nos livros e, muitas vezes, descer a enciclopédia da estante e começar a busca através dos seus inúmeros volumes.

Para pagar uma conta era necessário separar um tempo para ir até a agência bancária, ficar nas longas filas que se formavam esperando pela nossa vez. Se desejássemos viajar para um lugar desconhecido precisávamos de um guia impresso e de um mapa rodoviário; para dirigir até uma rua desconhecida precisávamos pesquisar no guia da cidade; se quiséssemos fazer uma compra tínhamos que ir até a loja, e assim por diante.

Hoje nada disso é necessário, tudo o que você precisa fazer, comunicar ou saber está dentro do seu celular, computador ou tablet. Se quiser se comunicar com alguém, e não importa onde essa pessoa esteja, é só mandar um whatsapp. Quer uma informação? Põe no Google. Vai pagar uma conta? Use o aplicativo do banco. Quer saber onde fica uma rua? O GPS te informa. Quer adquirir alguma coisa sem sair de casa? Compre on line, na loja virtual, pague on line e receba a mercadoria em casa. Quer saber o que alguém está fazendo da vida? Acesse uma das redes sociais e, quase certo, você verá uma foto ou terá uma informação.

Sem sombra de dúvidas, a vida ficou muito mais fácil nesse sentido, e podemos usufruir sem culpa de toda essa tecnologia. Mas, se é assim, por que existem tantas críticas em relação a isso? Por que, vira e mexe, alguém está debatendo o tema e questionando vantagens e desvantagens desses benefícios?

Muito provavelmente porque o ser humano tem, por hábito, fazer uso indiscriminado de tudo que está ao seu alcance; alguém duvida que somos vorazes? Se temos acesso a uma ferramenta fazemos com que ela se torne parte de nós, parte da nossa vida quase sem ressalvas. Acontece que uma ferramenta, por mais completa que seja, não foi feita para todos os usos.

Vamos pegar o whatsapp como exemplo; ele é um ótimo recurso para trocarmos uma informação de maneira rápida e eficaz, ou para comunicar algo pontual. Também funciona bem como lembrete de um compromisso, serve para qualquer jogo rápido. Mas no que o temos transformado de maneira geral? Em uma forma de nos relacionarmos com o outro! As pessoas estão fazendo D.R. (discutindo relação) pelo whatsapp! Como isso é possível?

Qual o sentido de expor sentimentos teclando loucamente o celular? Como eu posso me relacionar com o outro sem pousar meu olhar nos olhos do meu interlocutor? Como ele pode entender o que estou dizendo se não consegue ouvir minha voz e toda emoção que ela transmite? Como eu posso me nortear no sentido de estar sendo ou não compreendida na minha colocação, se não posso fazer a leitura do corpo do outro, da postura, dos movimentos dos músculos faciais? Será que alguém acredita que teclar numa carinha dos emojis realmente pode traduzir o que um olhar expressa?

Definitivamente o problema não é a tecnologia, mas o uso que fazemos dela. Não há nada que supere a interação de dois campos energéticos, de duas almas que pulsam. Não há nada que substitua o olhar, o sorriso, a respiração, o choro, o cheiro. Seja com quem for, a pessoa amada, o amigo, o filho. Por mais revolucionário que seja esse mundo virtual, ainda não inventaram nada que suplante o encantamento que acontece quando um ser humano se coloca frente a frente com outro ser humano!

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *