O propósito de estarmos aqui

Quem de nós nunca se indagou a razão de existirmos? Quem de nós nunca parou para refletir o que será que estamos fazendo aqui e qual será o objetivo de nossas vidas? Que atire a primeira pedra quem nunca encasquetou com isso…

Respostas claras a essas perguntas parecem não serem possíveis de se achar e, dependendo da crença de cada um, vamos nos ajeitando com algumas supostas justificativas, provavelmente verdadeiras, mas não completas.

Gosto de pensar que tudo isto é um grande experimento de um Ser maior, e que nascemos para aprender e evoluir na consciência e no amor; que caminhamos sempre em busca de nos tornarmos pessoas melhores, e que não importa quantas vezes teremos que repetir essa experiência até alcançarmos tal objetivo. Como não estamos sozinhos nessa aventura, cabe imaginar que também somos responsáveis por contribuir para o bem estar de outros seres humanos que coabitam este planeta conosco. E também, sendo a Terra nossa casa, somos responsáveis por mantê-la em boas condições, assim como fazemos com o lugar no qual moramos. Mas… por onde começar, ou o que fazer para conseguir tudo isso?

Esta semana, uma amiga de um grupo do qual faço parte, disse uma coisa simples mas que me chamou a atenção. Falávamos sobre isso, e ela colocou que tinha como objetivo de vida manter-se bem nos vários níveis, físico, emocional, mental, energético.

Essa colocação fez muito sentido para mim, e por isso divido com vocês. Gosto das analogias como uma maneira de compreendermos os processos, e pensei no funcionamento do corpo. Para um corpo manter-se saudável, é necessário que cada célula esteja saudável. Quando uma delas adoece, desequilibra as outras próximas. Se um conjunto delas adoece, desequilibra o órgão que as contêm. Se, por sua vez, esse adoece, desequilibra o funcionamento dos outros órgãos e, no andar da carruagem, teremos o comprometimento do funcionamento e da saúde do corpo todo.

Cada indivíduo é uma célula que forma a rede humana; quando dizemos que nossa sociedade está doente, queremos dizer que incontáveis pessoas adoeceram e comprometem o equilíbrio da sociedade como um todo. Da mesma maneira, nosso planeta é um conjunto de células que compõe este Sistema Solar, que por sua vez é um conjunto de células que compõe outros Sistemas Solares, que por sua vez compõe o Universo. Quando um sistema se desequilibra, todos os outros são afetados.

Volto à simplicidade do pensamento da minha amiga… se tivermos como propósito nos mantermos bem, cuidar de nós mesmos com esmero e atenção, conquistaremos bem estar, equilíbrio e alegria de viver, e contaminaremos as pessoas próximas com essa energia. Cuidar da saúde física porque precisamos de um corpo saudável para atravessar os anos com disposição e com condições de viver o mais plenamente possível esta aventura. Cuidar do emocional e do mental, que são “lugares” onde nossa essência habita, onde transitam nossas emoções, sentimentos, relações, pensamentos. E esse equilíbrio dará o tom da energia que vibramos para nós mesmos e para o mundo.

Talvez não estejamos aqui para “mudar o mundo” da maneira como imaginamos em um dia da nossa impetuosa adolescência; talvez o propósito de viver possa ser o de cada um cuidar de si mesmo e assim, de maneira indireta mas eficaz, cuidar dos outros e do mundo.

É a velha, sábia e conhecida história: quer mudar o mundo? Mude a si mesmo e o mundo mudará. Ele é um grande espelho que reflete a nossa imagem!

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.
Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *