Carnaval

Finalmente chegou (e continua) o Carnaval!!! Para dizer a verdade, não sou nem nunca fui fã do Carnaval, não tenho sangue de folião, tampouco me sinto atraída pelo sambódromo. O que eu comemoro é a possibilidade de 2018 finalmente estar valendo a partir da quarta feira de Cinzas, dele “pegar no tranco” e desenvolver seu ritmo.

Mas também não tenho nada contra essa folia, e talvez sinta até uma pitadinha de inveja dessa multidão de pessoas que conta os dias para a sua chegada. Admiro aqueles que juntam dinheiro durante o ano para a compra da fantasia, os que se deliciam em sambar na avenida viver seus minutinhos de fama, os que sabem de cor e salteado o samba enredo da sua escola, os que pulam atrás do trio elétrico, e agora mais recentemente, os que ocupam as ruas da cidade integrando os blocos de Carnaval.

Bem sei que para algumas cidades sisudas como a nossa é difícil conviver com essa bagunça desorganizada. No pré Carnaval, São Paulo foi tomada pelos blocos e a juventude em peso apropriou-se do espaço público, assim como famílias com crianças e pessoas de todas as idades.Ruas e avenidas foram interditadas, o trânsito ficou mais caótico do que de costume, o transporte público não deu conta da demanda, e muitos moradores tiveram seu sossego roubado. Choveram críticas e reclamações variadas, não faltou discurso político nem desaprovação pela constatação de que um número muito maior de pessoas se dispôs a ir para as ruas brincar do que se dispõem para lutar contra governos corruptos e oportunistas…

É, talvez isso seja verdade, assim também como é verdadeiro que a falta do exercício de cidadania faz com que muitos se comportem como se a cidade não fosse sua, como se o patrimônio público não lhe pertencesse, como se o cheiro da urina despejada fora dos banheiros químicos não fosse sentido pelo seu nariz. É o bloco dos excluídos, dos que não se apropriam da sociedade em que vivem, dos que não se sentem pertencentes a ela e ao lugar onde moram, e portanto, não se vêem responsáveis nem por cuidar, nem por lutar por ela.

Mas, felizmente essas pessoas não são a maioria nem a representam. Diante da multidão que ocupou as ruas e continua ocupando, o resultado me parece positivo. Há uma disposição em brincar, em unir-se a outras pessoas, em viver o coletivo em seu aspecto mais saudável. Quem sabe se isso não é um começo, se o resgate do lúdico possa despertar a consciência de que tanto a sociedade quanto a cidade, o país, a nação pertencem a todos nós, e portanto somos todos responsáveis por ela. Quem sabe possamos olhar as ruas como a continuação de nossas casas, e desenvolver um sentimento de apreço e cuidado.

Se somos capazes de cuidar da nossa casa, somos capazes de cuidar do nosso bairro, e depois da nossa cidade. E então estaremos desenvolvendo a cidadania, que nos tornará mais fortes e conscientes como grupo, com condições de intervir em assuntos políticos e econômicos que sentiremos como verdadeiramente nossos. Será que estou sonhando e isso é só fantasia? Se for, tudo bem. Afinal, é Carnaval!

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *