O que a vida quer da gente é coragem

Há dias em que a gente acorda, se olha no espelho e se acha bonita. Vai para o chuveiro, arrisca cantarolar a música preferida. Passa o sabonete pelo corpo como se estivesse desenhando arabescos sobre um papel. Sai do banho, abre o guarda roupas e escolhe aquele vestido lindo, ou aquela calça maravilhosa que cai tão bem. Na prateleira dos perfumes surge uma pequena dúvida sobre qual escolher, mas logo percebe-se que é o dia do queridinho, daquele que custou caro mas que vale cada centavo gasto. Depois vem os acessórios, a maquilagem, os sapatos e mais uma olhada no espelho. Uau menina, você está linda!!! De verdade, nem parece que passou dos 50!

Sai de casa, e logo antes da primeira esquina olha para o céu; não… que cor é essa?? Ele, o céu, parece que também caprichou no visual, vestiu-se de um azul que há tempos não se via. E o sol então? Brilha feito vestido de festa. Os semáforos estão verdes, o play list delicioso de se ouvir, o trânsito flui, nenhuma cortada ou xingamento. Bem, talvez aquele cara do carro branco tenha dito alguma coisa, mas quem liga? Coitado, deve estar estressado. E assim segue o dia. A agenda cheia, a correria de sempre, a lista do mercado que tem que ser encaixado no horário do almoço. Mas tudo bem, é até bom tomar um suco detox e comer uma quiche na padaria mais próxima, para equilibrar os excessos que já aconteceram ou irão acontecer. E não é que deu tempo de fazer tudo? Deu até para ligar para a amiga, morrer de rir da conversa, ir para a academia na maior disposição e terminar o dia em família, numa boa, sem falar de contas, filhos, sem reclamar da bagunça; pensando bem, será que tinha bagunça?

Há dias em que a gente acorda, se olha no espelho e se acha horrorosa. Que preguiça de tomar banho! A água não esquenta direito, o sabonete, que está no finzinho, cai não sei quantas vezes no chão do box, que chato! Aí você sai, abre o guarda roupas e não encontra uma roupa sequer razoável de se vestir. Tem aquele vestido que está apertado e marca os culotes, tem aquela calça larga que mais parece um saco, e não tem uma blusa bem passada. Na prateleira dos perfumes, aquele que foi ganho é o escolhido. O vidro está cheio, afinal, o aroma é cítrico até não mais poder, mas pelo menos você não pagou por ele. De acessórios, só o relógio, e maquilagem nem pensar, um batonzinho passado a esmo no elevador e está bom demais.

Antes da primeira esquina começa a chover, justo hoje, o trânsito vai ficar infernal. O trânsito já está infernal, e não é que aquele infeliz, aquele do carro branco, deu uma cortada e ainda xingou? Ah, mas levou de volta, com gesto e tudo, quem ele pensa que é? Já não basta o tanto de coisas para fazer hoje? Não vai dar tempo nem de almoçar, afinal ainda tem o mercado para encaixar. Quer saber? Hoje não se atende telefone, vontade zero de falar com quem quer que seja. Academia nem pensar, ir pra casa direto porque, com certeza, ainda vai ter aquela bagunça para arrumar. Mas de hoje não passa aquela conversa com os filhos, nunca vi gente tão folgada! Estão pensando que eu sou o quê?

“O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois inquieta. O que ela quer da gente é coragem.”

Sábio Guimarães Rosa.

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *