Maturidade e aprendizado

É claro para todas nós que o envelhecimento não traz, por si só, sabedoria. A vantagem única da passagem do tempo está na diversidade de experiências que podemos ter, na possibilidade de observação de nós mesmas, dos eventos, das nossas respostas em relação a eles. O tempo pode ser um grande mestre, na medida em que nos coloca frente a frente com a vida em suas inúmeras faces, mas tudo depende da disponibilidade interna de aprendizado de cada uma de nós.

Se pudermos desenvolver uma postura de humildade frente a este vasto Universo, no sentido de nos colocarmos como eternas aprendizes dos mistérios da vida, teremos muito mais chances de compreender a natureza humana e tudo o que está a ela relacionado. Essa compreensão está ligada à esfera intuitiva, uma vez que entender racionalmente alguma questão está longe de significar elaboração interna; para tanto precisamos de um insight, aquele click que faz com que tudo se encaixe em nós como um quebra cabeças perfeito.

De insight em insight construímos uma percepção dos processos, que nos auxilia a navegar pelas águas das emoções sem naufragar. De vez em quando tomamos “um caldo”, e nem poderia ser diferente, pois continuamos aprendizes, mas já com alguma expertise que nos permite por a cabeça para fora e respirar.

Já temos algum conhecimento dos ventos do tempo, somos capazes de discriminar que no olho do furacão a atitude possível é aquietar-se e abrigar-se, ou seja, saber esperar com paciência que o furacão passe para depois colocar cada coisa em seu devido lugar. O aprendizado nos torna aptas a avaliar as diferentes intensidades de força, e fazer escolhas apropriadas que não apenas nos livre dos riscos desnecessários, como também nos permita desenvolver estratégias para termos sucesso no que desejamos empreender.

Talvez o amadurecimento esteja mais vinculado a escolhas do que a impulsos, a gestar ideias e planos de como realizá-las, no lugar de sair fazendo qualquer coisa de qualquer jeito. Qualquer coisa já não serve mais, há um refinamento dos paladares pela vida. Não há interesse em qualquer filme, qualquer livro, qualquer pessoa. As luzes do mundo interno se acendem, parece que é um tempo propício para nos aproximarmos da nossa essência, e ela se torna a referencia para as escolhas.

Isso não significa que a maturidade seja melhor que a juventude, ou vice-versa. Não dá para dizer que a primavera é melhor que o outono, ou o inverno pior que o verão. Cada estação do ano e da vida tem seu propósito e seu encanto, e todas são necessárias para que a natureza se expresse em toda sua beleza e exuberância.

Que possamos honrar a nós mesmas em cada uma de nossas estações, aproveitar o que elas têm de melhor e trabalhar para que possamos sempre crescer e aprender, mesmo que isso signifique deixar cair as folhas mortas, deixar ir o que não agrega mais, para poder mais pra frente florescer de novo, e sempre!

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *