A flor do deserto

Volto a escrever depois de certo tempo, passadas as férias, a quebra do ritmo, a ausência de inspiração…

Ando um tanto quanto insone, nem sei bem precisar o porquê e em uma dessas madrugadas em que fico procurando pelo sono que resolve esconder-se (embora bem saiba onde encontrá-lo durante o dia), me veio à  cabeça a flor do deserto.

A rosa do deserto é uma planta que pode alcançar até 4 metros de altura e tem uma forma diferente, com um caule muito desenvolvido na base e próprio para sobreviver nesse ambiente, já que precisa acumular água e suportar ventos fortes. Floresce em meio à aridez, em uma explosão de cores que vai do branco ao vinho, passando pelo vermelho e pelo lilás. Não depende de condições climáticas ideais para sobreviver e florir, encontra recursos em sua estrutura interna.

Acredito que todas nós somos flores do deserto, embora na maioria das vezes não tenhamos essa consciência ou percepção. Fomos domesticadas para acreditar que precisamos de certas condições externas para nos sentirmos realizadas, e ao esperar por tais quesitos que nunca chegam, acabamos invadidas por frustrações e sentimentos de fracasso. Mesmo quando conseguimos certas realizações, como um amor, sucesso profissional, lugar de reconhecimento na sociedade, ainda assim vem a frustração, porque tudo foi tão idealizado que o real não dá conta de suprir tantas projeções!

O homem que vai nos beijar e nos trazer de volta à vida só existe nos contos de fada para as princesas sofridas e desmilinguidas; o sucesso profissional que propicia a sensação de poder e até de onipotência dura até a primeira fragilidade física ou emocional, até o enfrentamento de uma enfermidade, de uma depressão. A valorização do meio social é chuva de verão, assim como vem e inunda, rapidamente passa. Passa o glamour, a juventude, as promessas de futuro; mas também passam as dores, as previsões negativas que não se cumpriram, os períodos de extrema dificuldade, as fantasias de morte, o medo de sucumbir em meio ao entulho emocional, afetivo.

Aí nos damos conta que somos a rosa do deserto, que trazemos um reservatório interno onde acumulamos as águas da vida para os períodos de extrema secura e aridez. Que nosso tronco, por onde circulam as energias que vem do céu que nos cobre e da terra que nos ancora, sabe se sustentar diante das tempestades e ventos fortes, tem a maleabilidade do bambu que se curva para não quebrar e, passado o furacão, volta a se reerguer altivo e belo.

Sim, somos terra, planta, flor, estamos neste mundo, mas somos de outro. Nosso corpo abriga uma alma que pulsa e que busca a evolução e a realização na matéria através do reconhecimento de que nascemos com os recursos que necessitamos utilizar no decorrer da vida, como a inspiração, intuição, força, amor. Trazemos incubado o poder da transformação, da alquimia interna, e despertá-lo é despertar a consciência sobre nós mesmas.

Não há mais lugar para o vitimismo e a espera passiva por algo ou alguém que nos resgate dos buracos nos quais caímos durante a vida; passado meio século de existência é impossível postergar essa descoberta, se fazer de tonta, de frágil, esperar pelo que vem de fora.

Que possamos olhar para dentro de nós, entrar em contato com essa alma que é, ao mesmo tempo, força, vida, bússola, poder, amor. Que possamos nos aliar à ela e nos aproximar de pessoas que realmente “conversem” com nossa alma e nós com as delas, para que essa ciranda viva possa nos lembrar quem somos se, por acaso, nos esquecermos.

O destino de toda flor é florescer! Que venham as primaveras onde espreguiçaremos nosso caule e abriremos nossas pétalas; os verões onde o colorido de nossas roupagens brilhará nos raios de sol; os outonos cujos ventos nos farão desfolhar; os invernos que nos deixarão desnudas. São só estações que vão e vem, se repetem no ciclo que não tem começo nem fim. O que de fato conta é o fogo e a água da qual somos feitas.

O fogo que arde em nós e nos dias frios aquece, reacende a chama da vida sempre que ela parece se apagar, regenera a saúde, transmuta as energias. A água que flui em nós, que hidrata quando parece que vamos secar, que nos faz boiar quando as ondas estão fortes, que limpa e lava todas as feridas.

Simples assim, flores do deserto.

Autor: Ana Amorim

Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos. Escrevo todos os domingos sobre Comportamento.

Um comentário em “A flor do deserto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *