Dia dos Pais

por Ana Amorim /

Volto a escrever no blog neste domingo de Agosto quando comemoramos o Dia dos Pais. Em muitos países essa data é celebrada no terceiro domingo de Junho, mas quando essa ideia foi trazida para o Brasil em 1953, pelo publicitário Sylvio Bhering,ficou estipulado que a comemoração seria no dia 14 de agosto, dia de São Joaquim, considerado o patriarca da família; só depois passou para o segundo domingo desse mesmo mês.

Poderia dizer que é uma grande coincidência que os pais sejam homenageados sob o signo de Leão caso eu acreditasse em coincidências… Não entendo de astrologia mas a curiosidade me impulsiona a buscar informações. Leão é o quinto signo do zodíaco e o segundo dos três signos ligados ao elemento Fogo, que simbolicamente representa o poder da imaginação e da criação da realidade a partir do eu interior. O Fogo também está relacionado com o núcleo da energia psíquica que flui espontaneamente para o mundo. Leão é regido pelo Sol que por sua vez representa, entre tantos outros significados, a consciência e a autoridade. O astro rei que rege o signo do grande felino, o rei da floresta, o filho do Sol.

Talvez eu tenha “viajado” nessas ideias, mas foi a maneira que encontrei para render minha homenagem a todos os pais. Pai é estrutura, alicerce, construção. Transmissor dos princípios que regem a sociedade, é quem insere o filho no mundo. Representa a autoridade que limita e interdita porque ama, porque cuida, porque conhece os perigos da floresta, suas armadilhas e seduções, e não quer seu filho presa fácil dos predadores. Mas é também quem conhece as belezas da floresta, as trilhas largas e ensolaradas, as cachoeiras que refrescam as almas cansadas, os fios de água que descem pelas montanhas e aquietam os corações.

Que pais e filhos possam se encontrar na energia amorosa que permeia essa relação, possam se reconhecer mutuamente como elos de uma corrente infinita chamada vida que se renova a cada geração, que possam compartilhar a alegria desse encontro. A todos os pais um dia feliz! Ao meu pai, que não está fisicamente comigo mas está em mim, amor e gratidão!

“Uma ocasião
meu pai pintou a casa toda
de alaranjado brilhante.
Por muito tempo moramos numa casa,
como ele mesmo dizia,
constantemente amanhecendo”

Adélia Prado

2 comentários

  1. Denise Ribeiro disse:

    Ana, você não “viajou”, não. Seu texto foi perfeito. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.