Paul McCartney (e a rotina)

Este domingo fui com meu marido e um filho assistir ao show de Paul McCartney aqui em SP, no Allianz Parque (estádio do Palmeiras). Foi absolutamente fantástico!! Pontualidade britânica para iniciar o espetáculo, duas horas e quarenta minutos de palco, um público animado que cantou todas as músicas acompanhando o ex-Beatle.

Como ele tem pique para dar um show desses aos 75 anos, é um mistério. Tenho certeza que ele está bem mais disposto que eu, que ainda estou nos 50′

Mas o que eu queria conversar aqui é outra coisa: o quanto é difícil sair da rotina. Quando compramos os ingressos (creio que em Maio), à mera lembrança que iríamos ver Paul McCartney surgiam sorrisos de alegria e empolgação. Nesta última semana antes do show propriamente dito, a coisa mudou…

A ideia de sair do conforto de casa para enfrentar trânsito e multidão, ainda ter que lutar por boa posição de cadeiras – os lugares não eram marcados, dependiam do horário de chegada – e naquele tempinho feio… nossa, deu uma preguiça!… Juro que eu e meu marido estávamos quase cogitando em abandonar o programa.

Mas a melhor coisa que fizemos foi sair, acompanhar o filho e ir ao estádio. Passamos alguns momentos de incerteza até encontrar lugares razoavelmente bons, o tempo estava geladíssimo, bem ao estilo “terra da garoa”, porém a satisfação de ver, ouvir e cantar junto com o Paul… não tem preço (parafraseando a propaganda de Cartão de Crédito).

Conclusão: a rotina nos põe uma bola de ferro no pé e, se a gente não se rebelar e lutar para sair dela, passa a vida inteira fazendo sempre a mesma coisa. E fazer o diferente é simplesmente MARAVILHOSO. Recomendo.

Somos todas muito iguais

Recebi um link para uma página da Awebic com uma daquelas listas tão adoradas pela Internet: 23 lembretes que adultos de 23 anos precisam ler agora.

Entre os itens há alguns que podemos considerar válidos até os +50, mas estes dois abaixo são perfeitos:

Há duas enormes verdades nesses casos. Sim, nosso corpo nunca mais será igual ao que era aos 17 anos e precisamos tratá-lo corretamente para continuarmos vivendo bem nele. E sim, todas nós somos mais atraentes do que imaginamos.

Quando olhamos o espelho só vemos defeitos e nos amaldiçoamos por isso. Aliás, se alguém falasse para nós o que dizemos em nossas autocríticas, nunca mais olharíamos para essa pessoa, não é mesmo?

Use carinho para se avaliar. Aos 17 estávamos no auge da produção de colágeno e elastina, mas não tínhamos certeza do que fazer da vida, se teríamos sucesso, se encontraríamos alguém para partilhar a jornada. Hoje somos plenas de conhecimento e vivência, e nosso corpo e rosto têm mais é que mostrar isso. Daqui a alguns anos olharemos para trás e teremos certeza de como éramos bonitas. Então, por que não aproveitamos para sermos felizes conosco mesmo no tempo presente?

Não vamos perder essa chance de ACORDAR para viver o AGORA. Ame-se. Vista-se com o que tiver vontade. Saia da rotina massacrante ao menos uma hora por dia. Vamos fazer nosso melhor e APRECIAR o que somos HOJE.

*Post inspirado pelo texto da Ana deste domingo.

Tarsila do Amaral & Osklen

No finalzinho de agosto a Osklen desfilou, na 44° edição do SPFW, sua coleção inspirada em Tarsila do Amaral.

Além de peças em linho cru, remetendo às telas em branco, os quadros Manteau Rouge (1923), Palmeiras (1925), Abaporu (1928) e Antropofagia (1929) foram retratados lindamente nos vestidos e nos lenços de seda da coleção.

Algumas camisetas masculinas estão disponíveis no site da marca (R$347) e três modelos femininos, também camisetas, estão no site da Farfetch (R$147 a R$197).

Mas, e os vestidos maravilhosos?? A última vez que passei na loja física me falaram que estavam para receber, e o vestido do Abaporu (acima) chegaria custando mais de R$3 mil.

Seria ótimo ter uma peça tão diferente e com tanta informação de arte, mas acho que vai ficar difícil con$eguir um vestidinho…

 

Guarda-roupa: limpeza expressa

O melhor método de destralhamento geral de guarda-roupas que já testei é, sem dúvidas, o de Marie Kondo. Nele você tira TUDO de dentro, EXPERIMENTA cada uma das suas roupas e responde à pergunta:

Esta peça me faz feliz?

Parece bobagem à primeira vista mas realmente funciona. Resolve algumas questões que outras técnicas não conseguem como, por exemplo, o descarte de itens que foram guardados por terem sido caros ou que foram presenteados por alguém querido. Quando você experimenta a peça e não sente alegria em vesti-la, percebe que é hora de liberar seu armário daqueles itens.

Porém, após já ter feito o destralhe inicial conforme acima, não há mais necessidade de passar por tanto trabalho toda vez que precisar arrumar o guarda-roupas. Neste caso, podemos fazer somente uma limpeza EXPRESSA. Olha só:

A) Múltiplos – sabe aquela camiseta (calça, blusa, etc.) que você comprou igual em todas as cores? Hora de escolher as que mais usa e descartar as irmãs gêmeas que sempre ficam encostadas.

B) Calças compridas – estão confortáveis? Você vestiria qualquer uma e sairia bem vestida? Descarte sem dó as peças com respostas ‘não’.

C) Meias e lingerie – estão encardidas, desbotadas, furadas ou manchadas? Fora já!

D) Peças danificadas – você não precisa de mais que 5 minutos para excluir os itens com manchas que não saem, com furos, rasgos ou desfiados. E se algo tiver conserto, defina uma data próxima para resolver o caso, senão, exclua a peça!

E) Calçados – este é um item importantíssimo e que, se não estiver bem conservado, derruba qualquer look. Descarte sem dó os sapatos que estiverem largos ou apertados; os que estão desgastados na biqueira ou no calcanhar; os fora de moda que você não quer mais usar; os que foram comprados há meses e nunca saíram da caixa – acredite, você não vai usá-los.  Fique só com os que estão em perfeito estado!

Viu só? Não é uma limpeza geral, claro, no entanto já dá uma boa destralhada e o melhor: cada um dos itens pode ser resolvido em pouquíssimo tempo. Com cinco minutinhos por dia, ao final da semana seu guarda-roupas estará bem mais leve! Bom, né?