No caminho

Com o final do ano se aproximando, é meio automático fazermos o balanço do que vivemos, do que foi bom e do que precisamos melhorar.

Pessoalmente, acabo sempre me recriminando por minha falta de obstinação, por me entusiasmar e depois ir abandonando as atividades aos poucos, geralmente por estar cansada demais ou ocupada demais. Bem no meio de um momento de feroz autocrítica, li o livro “No caminho – fragmentos para ser o melhor”, de Maria Júlia Paes da Silva.

grd_34564_15133Nele, a autora relata seu trabalho diário, persistente, de todo dia cumprir aquilo que se determinou a fazer e o resultado desse esforço. A caminhada é cotidiana, o compromisso consigo mesmo é refeito a cada dia, ano após ano. O resultado é visível, é real.

Sei disso porque conheço Maria Julia e constato a veracidade de suas palavras. Admiro sua postura equilibrada e bem-humorada diante da vida. Ver uma pessoa próxima manter seus compromissos internos e executá-los coerentemente, me deu mais vontade de fazer o mesmo. Deixou de ser algo impossível. Tornou-se prróximo, concretizável. Está ali, presente na próxima decisão, entre comer um doce ou uma fruta, entre ler ou assistir televisão, entre fazer uma caminhada ou deitar e descansar um pouco.

maria-julia-paes-da-silva

Não há resposta correta. A cada momento, temos que respeitar nossa realidade. No entanto, se quero melhorar meu condicionamento físico, sei que devo escolher caminhar mais vezes do que me deitar na rede de balanço. Isso é ser coerente.

Aquele projeto de começo de ano (às vezes, do começo de todos os anos) de fazer ginástica e emagrecer, não será alcançado se for passageiro. A primeira semana na academia pode ser seguida de várias semanas de ausência se nosso propósito não for real, ou se ele for imediatista. Mas ele pode ser lindamente realizado se optarmos por dar pequenos passos, todos os dias, sem nunca tirar os olhos do objetivo.

Espero que o livro “No Caminho” inspire muitas pessoas, assim como me inspirou, ensinando que cada passo, por pequeno que seja, é fundamental quando estamos criando nosso destino.

caminhando

corpo22

Como envelhecer

Este é um livro da coleção The School of Life, uma série que aborda temas relevantes e informativos, que interessam à maioria das pessoas. A autora, Anne Karpf, é escritora, socióloga da saúde, jornalista premiada, locutora, professora adjunta de redação profissional e pesquisa cultural na London Metropolitan University e escreve artigos regularmente para jornais e revistas.

anne-karpf

O livro se inicia mostrando que hoje em dia pessoas com 30 anos, às vezes até 20 anos, já estão preocupadas com envelhecimento, enquanto muitos da faixa de 50-60 estão encarando fazer quaisquer intervenções que os deixem com aparência mais jovem. Na verdade, diz a autora, “todos estão sofrendo da mesma dolorosa condição: um medo profundo de envelhecer”.

Capa_Como Envelhecer.indd

O que ela nos faz entender é que o envelhecimento é algo presente por todo o ciclo da vida, está acontecendo a todo momento para todas as pessoas. Não tem sentido determinar uma idade na qual chegamos à barreira do envelhecimento, como se fosse algo exclusivo da última década de nossa vida.

“Envelhecer é viver e viver é envelhecer, e ser anti-idade (como muitos produtos, cheios de orgulho, dizem ser) é o mesmo que ser antivida.”

O que devemos combater é a falta de habilidade de mudar, e não o envelhecimento em si. Ficam melhores as pessoas que são capazes de se livrar de ideias fixas e ter flexibilidade de pensamento.

“Na nossa cultura, sentir que tem a própria idade é sinônimo de se sentir mal e sem vitalidade. Agora imagine se significasse sabedoria e experiência.”

anne-karpf-2

Achei o livro muito bom, mostra que devemos ansiar por combinar com nossa idade real e não ficar tentando burlar um processo biológico que é inevitável. As pessoas ficam cada vez mais únicas à medida em que ficam mais velhas, pois têm mais bagagem específica, tanto cultural como de vivência. Precisamos tirar a impressão de que envelhecer é ficar doente e incapaz. Isso é uma visão deturpada que faz com que todos temam ganhar idade e é ótimo para companhias que lucram em cima dessa ideia: indústrias farmacêutica e de cosméticos, clínicas especializadas em plásticas e dermo-procedimentos, etc.

O texto foi muito bem escrito e é empoderador. Se você tem +50, leia. Você vai gostar!

{Comprei o e-book pela Amazon, a R$16,88. O livro físico está R$22,32}

leia-moda-op2

Filme: O Quarteto

Anda difícil encontrarmos um filme inspirador e que não tenha cenas de pancadaria, não é? Pois “O Quarteto” é exatamente assim!

A história se passa em um luxuoso lar para músicos eruditos aposentados. Em meio aos ensaios para o espetáculo anual que os residentes fazem para arrecadar doações (que visam manter o lar aberto), chega à casa uma antiga diva da ópera. Sua vinda causa desavenças com o ex-marido que já estava hospedado lá e rusgas com antigas rivais de palco. Junte-se a isso o mal estar por sua recusa em participar do festival integrando seu antigo quarteto de vozes. 

duls0c2yexmuvvb3yomc92u0f

A história pode ser simples do ponto de vista dramático, porém, o que encanta são os atores e seus personagens. Todos velhinhos, aposentados, de cabelos brancos, e ensaiando seus instrumentos ou vozes, se mantendo ativos mesmo em meio às dificuldades de locomoção e perdas de memória.

8f3cb-360-oquarteto

Aliás, a senilidade e a consciência da decadência – da voz que não é mais perfeita, dos dedos que não respondem como antes ao instrumento – são mostrados o tempo todo. E ver a luta deles para superarem os contratempos trazidos pela idade avançada é inspirador. 

A música é ponto alto: trechos conhecidos de óperas, estudos de Bach, uma delícia de ouvir. Destaque também ao cenário, que não poderia ser mais bonito: a casa de repouso é uma mansão inglesa belíssima, rodeada de jardins.

hedsor-house

A direção do filme (2012) é de Dustin Hoffman e os atores principais são os excelentes Maggie Smith, Tom Courtenay, Billy Connolly e Pauline Collins. Disponível no Netflix, não perca. Eu fiquei com o coração aquecido!  <3

leia-moda-op2