As cores de 2017

Todos os anos (desde 2000) a Pantone – empresa referência mundial em matéria de estudo de cores – divulga os tons que tenderão a ser amplamente utilizados a cada nova temporada. A definição da Cor do Ano influencia diretamente o desenvolvimento de produtos por indústrias, embalagens, design gráfico, casa e, claro, a Moda.

Sobre a cor do pantone do Ano

A seleção da Cor do Ano exige uma análise cuidadosa e, para chegar a esta definição, a Pantone literalmente varre o mundo à procura de influências de cor que sejam significativas. Isso pode incluir a indústria do entretenimento e dos filmes que estão em produção neste momento, coleções de arte em deslocamento pelo mundo, novos artistas influentes, destinos bacanas de viagem e outras variáveis sócio-econômicas. Influências também podem decorrer de um aumento da tecnologia, da disponibilidade de novas texturas e efeitos que terão impacto na cor, e até mesmo de eventos esportivos que capturem a atenção mundial. Pantone

Era usual a escolha de um só tom como base para um determinado ano, seguido de uma cartela de cores afins. Tivemos o Orchid Radiant em 2014 e o Marsala em 2015. Este ano de 2016 eles inovaram e pela primeira vez escolheram duas cores bases, que tenho certeza você está vendo aos montes das lojas: o Rose Quartz e o azul Serenity.

pantone2016

Para dominar a moda Primavera Verão 2017 (do hemisfério norte, bem entendido) a Pantone anunciou uma cartela de 10 tendências:

pantone2pantone1

Primavera / Verão de 2017; uma estação onde a cor evolui, distanciando-se de regras exigentes e ficando acessível à sensibilidade e soluções para novas necessidade de cores. Uma temporada onde a sinergia das cores flui por entre nossas apostas em tendências, desde os tons aerados e bem iluminados até os tons explosivos e brilhantes, levando a harmonias de cores únicas e diversificadas que contam a história da nossa cultura global. Uma estação onde vemos a criatividade desabrochar. Junte-se à evolução da cor! Pantone

Das escolhidas, o Niagara 17-4123, um azul tipo denim, deverá se destacar como o tom predominante:

niagara

Bom, e na prática, o que muda?

Para nós, consumidoras conscientes, não muda quase nada. Tirando o inegável fato que as indústrias têxtil e de Moda irão focar nessas cores e que, portanto, se tivermos que comprar algo semestre que vem vamos vê-las em muitíssimas vitrines, não há maiores alterações de guarda-roupas.

Até porque cor é um conceito muito particular e não adianta estar na moda um “rose quartz” ou um “pale dogwood”: se esse tom não fica bem na nossa pele ( o/ ), não faz sentido comprá-lo.

A paleta em foco, no entanto, é bem democrática: azul denim, um azul mais escuro, um verde militar, um laranja e rosa fortes – cores fáceis de encontrarmos em nosso armário hoje, não é?

E acho que o mais importante já aprendemos nos nossos +50 anos: a gente tem que vestir o que nos dá prazer, o que fica bem, conforme nosso estilo próprio, e não há qualquer obrigatoriedade de se seguir “moda”.

Apesar disso, é interessante sabermos de antemão o que vai bombar nas vitrines, até para nos atualizarmos dentro de nosso próprio guarda-roupas. Sabe aquela parca militar que está meio aposentada? Hora de tirá-la do armário pois a cor está na moda e o modelo também. Para isso servem as informações: para fazermos boas escolhas dentro do que já temos. [Ou em uma comprinha básica também, por que não, né?]  😉

A todas, boas escolhas!

 

P.S. de dezembro/16

A Pantone anunciou a cor do ano de 2017 como a PANTONE 15-0343, intitulada Greenery. O tom verde/amarelo picante é um tom de folhagem, de refrescância.

ftc-cor-do-ano-2017-pantone-greenery-01

Você, gosta? Eu não curto muito esse verde-amarelado…

leia-moda-op2

Sobre todas nós

Hoje faz uma semana que conseguimos colocar este blog funcionando, e um pouco para comemorar, um pouco para conversar sobre ele, nós três, que nos aventuramos nessa empreitada, saímos para almoçar.

Um encontro entre amigas é sempre algo muito interessante; os assuntos pipocam e estouram feito milho em óleo quente, um atrás do outro, ao som de muitas risadas e com um jeito de travessura. Falamos de tudo um pouco, desde relembrar coisas que fizemos no decorrer da vida (a maioria delas engraçada, claro) até o que estamos vivenciando hoje, nesta estação da maturidade.

Ao escrever isso vem um verso de Caetano: “Não me venha falar na malícia de toda mulher, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Sabem de uma coisa? A delicia é maior do que a dor, infinitamente maior!! Nós mulheres aprendemos desde muito cedo que a sensibilidade é uma vantagem porque ela nos possibilita adentrar no universo dos relacionamentos como quem mergulha no mar num dia quente, cheias de vontade, alegria e prazer.

E na medida em que o tempo passa e vamos nos libertando dos afazeres em excesso, maior ainda é a vontade de mergulhar.

corpo-o635izfq7j

Cada fase da vida tem seu custo e seu encanto; se por um lado não temos mais aquele corpinho de dar inveja e, como bem escreveu Rubem Alves, a quantidade de jabuticabas que já comemos é maior do que as que ainda restam na bacia, por outro vivemos um momento onde já não se faz importante provar a nós mesmas ou a quem quer que seja, quem somos. Disso já temos vaga ideia… Nossas carreiras já estão consolidadas, nossos filhos cresceram e não somos mais imprescindíveis, conseguimos sair de casa mesmo que o cabelo não esteja impecavelmente arrumado e somos até capazes de aceitar um convite para um encontro de última hora com amigos queridos mesmo sem termos ido à manicure, não é fantástico isso?

splitshire-8075

A vida sempre vale a pena, e a maturidade traz de presente para nós um olhar mais tranquilo e mais seguro em relação à vida, afinal já atravessamos tantas tempestades e sobrevivemos a todas elas… e melhor ainda, já sabemos que o amanhecer do dia seguinte é um espetáculo imperdível, cheio de cores, ensolarado como nunca!

leia-comportamento

A palavra Corpo

Quando leio a palavra “Corpo” em alguma mídia feminina, é inevitável pensar imediatamente na última dieta da moda, em fotos de mulheres com barriga negativa, em cremes para tratamento da pele. Não é “desse” corpo que quero falar aqui. A magreza, o corpo dito perfeito, conceitos que nos são impostos, desfilando na rua ou nas passarelas, podem ocupar as páginas de revistas. Aqui, vamos ser mais livres.

tom-ford-2016-butterfly-prints-on-the-runway

Quando penso em corpo, qualquer que seja qual sua forma e tamanho, penso no cuidado que devemos dedicar a ele, amorosamente, respeitando necessidades e limites. Afinal, vamos juntos pela vida afora. E quando penso em alimentação, penso em saúde, em nutrir para ter energia, para poder caminhar plenamente, estar no mundo.

mulher-andando-mar-arcoiris-anthrop

Desde sempre a correlação entre estados emocionais e bem-estar físico me fascina. Corpo, para mim, rima com alma. Não tem como separar.

A gente adoece de tristeza, emagrece quando se separa, irradia luz quando está apaixonada, exprime doçura e bondade através dos olhos. A gente descobre uma força desconhecida quando tem que enfrentar sozinha uma dificuldade, rejuvenesce depois de uma sessão de risadas com as amigas, encolhe quando briga com o filho.

É fácil saber quem é o líder de um grupo: basta olhar a postura. Quem ocupa mais espaço? Quem se retrai? Inconscientemente, todos nós fazemos leituras corporais. O corpo revela.

pict-gato-soninho

Mas, e o que ele esconde? Quais memórias estão guardadas na nossa musculatura? E quais movimentos libertam? Acredito que a harmonia interna passe pela sintonia entre esses dois canais: emoção-pensamento e corpo físico. E sobre isso há muito a ser dito. Vamos caminhar juntas?

leia-corpo

Filme: O Quarteto

Anda difícil encontrarmos um filme inspirador e que não tenha cenas de pancadaria, não é? Pois “O Quarteto” é exatamente assim!

A história se passa em um luxuoso lar para músicos eruditos aposentados. Em meio aos ensaios para o espetáculo anual que os residentes fazem para arrecadar doações (que visam manter o lar aberto), chega à casa uma antiga diva da ópera. Sua vinda causa desavenças com o ex-marido que já estava hospedado lá e rusgas com antigas rivais de palco. Junte-se a isso o mal estar por sua recusa em participar do festival integrando seu antigo quarteto de vozes. 

duls0c2yexmuvvb3yomc92u0f

A história pode ser simples do ponto de vista dramático, porém, o que encanta são os atores e seus personagens. Todos velhinhos, aposentados, de cabelos brancos, e ensaiando seus instrumentos ou vozes, se mantendo ativos mesmo em meio às dificuldades de locomoção e perdas de memória.

8f3cb-360-oquarteto

Aliás, a senilidade e a consciência da decadência – da voz que não é mais perfeita, dos dedos que não respondem como antes ao instrumento – são mostrados o tempo todo. E ver a luta deles para superarem os contratempos trazidos pela idade avançada é inspirador. 

A música é ponto alto: trechos conhecidos de óperas, estudos de Bach, uma delícia de ouvir. Destaque também ao cenário, que não poderia ser mais bonito: a casa de repouso é uma mansão inglesa belíssima, rodeada de jardins.

hedsor-house

A direção do filme (2012) é de Dustin Hoffman e os atores principais são os excelentes Maggie Smith, Tom Courtenay, Billy Connolly e Pauline Collins. Disponível no Netflix, não perca. Eu fiquei com o coração aquecido!  <3

leia-moda-op2

E aí, 50?

Pois é, depois de período longo de incubação, de tentativas e erros, estamos aqui (re)iniciando o blog que queremos fazer, um espaço para reflexão sobre corpo, moda, saúde e comportamento de quem encontra-se na estação da maturidade. Na verdade gosto da ideia de que o tempo, assim como o concebemos, não existe. Nós humanos instituímos o calendário e contamos a vida através de datas, da marcação da passagem do tempo, de nomenclaturas e categorias, mas já repararam que só nós fazemos isso?

8ee2eb629f

O Universo, assim como o nosso inconsciente, é atemporal; tudo ocorre simultaneamente, paralelamente, no eterno agora. A natureza segue o ritmo interno, muda com as estações, que não tem a ver com datas, mas com ciclos de nascimento, vida e morte. E os ciclos tem relação com a prontidão, com o instante em que algo já se esgotou e o novo ocupa seu lugar. Há primaveras frias, invernos chuvosos, verões mais secos, e tudo é possível porque as estações não seguem os padrões que nós estabelecemos, a vida não ocorre na separação do tempo, a vida pulsa além do tempo e do espaço.

Por isso este blog comporta todo mundo, independente da idade cronológica, já que o que vamos abordar aqui tem relação a um ciclo, a uma estação da vida, a vivências que podem acontecer dentro de nós a qualquer momento em que estivermos prontas para isso.

Sejam bem vindas, sentem-se aqui conosco, vamos olhar para nós mesmas, vamos entrar em nós e explorar esse Universo inteiro que anseia por manifestar-se, expressar-se e expandir-se. Vamos olhar para o passado com gratidão por todas as lições aprendidas, pela possibilidade da maturidade em alguns aspectos; para o presente com entusiasmo pelo que desejamos e podemos fazer agora, nos permitimos fazer agora, e para o futuro com muitos sonhos recém plantados no quintal de nossas almas!

Rhododendrons at Riga botanical garden

leia-comportamento