Férias!!

Passadas as festas de final de ano e toda correria que isso implica, chega o tão esperado momento das férias. Para cada uma de nós férias tem significados diferentes, ou propostas diferentes, que dependem do nosso momento e das nossas possibilidades.

De qualquer maneira o desejo passa pelo não compromisso, pela ausência do relógio e pela oportunidade de se fazer o que bem se entende, sem atrelamentos que nos acompanham todos os outros incontáveis dias do ano!

Férias tem cheiro de terra molhada, de dama da noite que esparrama seu perfume pelo ar, de brigadeiro que gruda no fundo da panela, de maresia, de eucaliptos que balançam ao vento. Tem cheiro de infância, da nossa e de nossos filhos, ou netos. Combina com risada de criança, fila para banho na casa que reúne toda família, o correr para tirar as roupas do varal antes que a chuva caia. Combina também com areia esparramada pelo chão, com ataques de riso frente ao inusitado, com bolas e mais bolas de sorvete com direito a cobertura. Férias tem sabor de liberdade…

Pois é, eu estou saindo de férias e me dei o direito de não levar o notebook, não ficar plugada na internet, trocar o facebook pelo “face to face”. Por esta razão só voltarei com os textos no primeiro domingo de fevereiro. Mas programei algumas poesias que serão postadas nos próximos domingos de janeiro. Achei que férias e poesia também combinam, têm a ver com aproximar-se de si mesmo, tocar o coração, se encher de beleza.

A todos vocês, boas férias! Mesmo aos que vão continuar trabalhando, que não saem nesse período do ano, aproveitem as férias dos outros. A cidade mais esvaziada, o transito que flui, as ruas mais tranquilas, a oportunidade de se fazer o que se deseja sem ter que encarar longas filas, o horário de verão que deixa o dia mais longo, e nos dá a oportunidade de aproveitar o parque, a piscina, o bar com os amigos, a sorveteria com as crianças após o expediente. Pensando bem, férias é um estado de espirito com maior tempo disponível, é vontade de curtir a vida, de buscar o prazer possível, de ter leveza e beleza nos olhos para olhar a vida com outra disposição.

Até a volta, continuem acessando e se deliciem com a poesia!

Nunca suficientemente magra

O livro “Jamais assez maigre” [Nunca suficientemente magra], escrito pela ex-top model Victoire Maçon Dauxerre – que já foi uma das vinte modelos mais requisitadas do meio fashion – denuncia os abusos aos quais as mulheres são submetidas para se enquadrarem em um padrão de beleza irreal e que ameça a saúde.

Selecionada pela Agência Elite, a francesa troca Paris por New York para se lançar no mundo da moda, onde o sucesso parecia estar ao seu alcance. Afinal, ela era jovem, bela e magra. Mas, logo descobriu, não era magra o bastante. Para desfilar na Semana de Moda ela deveria passar do tamanho 36 para o 32. Em dois meses.

“Ninguém me disse que tinha de perder peso. Disseram-me que em setembro iria à Fashion Week, que as roupas eram 32-34 e que tinha de caber nelas”, confessa.

Para realizar essa façanha, ela substitui três refeições diárias por… três maçãs acompanhadas de água com gás, e apenas um pedaço de frango ou peixe por semana. Resultado: ela se torna um ser esquelético de 1,80 m e 47 quilos e conquista seu lugar nas passarelas. Preço da aventura: uma anorexia nervosa que combate por muitos anos.

Agora a ex-modelo veste 38 e é reconhecida pela sua difícil luta contra a anorexia, motivo pelo qual está empenhada em desmitificar a indústria da magreza.

Seu caso não é incomum. Como ela, muitas mulheres se sentem oprimidas pelo padrão de magreza excessiva, veiculado como belo. E não apenas modelos e bailarinas. Mulheres de todas as idades se comparam e sentem-se aquém do esperado. ‘Não, não somos magras o suficiente’.

No entanto, quando a indústria da moda exige um manequim tão reduzido, não é para valorizar a beleza feminina, mas para que a roupa tenha um caimento ideal, sem pregas e sem ondulações. Alta e extremamente magra, a mulher é transformada em cabide. E isso não deveria ser nosso sonho de consumo. 

Ao contrário, acho que devemos encontrar e honrar aquilo que há de único em cada uma de nós, sem nos deixarmos manipular. Reconhecer, pura e simplesmente, que a beleza existe sob todas as formas. E, afinal, está na hora do mundo da moda voltar-se para a mulher real que, por definição, tem elegantes curvas. Não há nada de errado em ser escandalosamente curvilínea!

Hoje procuro ser minha própria referência. Não é fácil, mas é sábio
Outro dia ouvi uma amiga dizer: “Perdi muito tempo achando que eu seria feliz quando ficasse magra. Hoje não faço mais isso. Aproveito cada dia!”
Isso resume tudo: Vamos escolher viver autenticamente, sem pedir autorização. Um brinde à quem você é!

Obs.: Este post apareceu primeiro no blog Pílulas de Moda e foi escolhido para republicação aqui devido minhas férias. <3

5 sapatos para 2017

Início de ano, já sabe: sempre rolam umas listinhas do vai usar muito e do que está “fora de moda”. Mas vamos deixar esta última seleção sem comentários. Afinal, cada um usa o que quer e o que já tem, não há sentido em mudar de guarda-roupa porque alguém decretou.

O site Who What Wear, que sempre acompanha moda muito de perto, está indicando cinco estilos de sapatos que “devemos” comprar em 2017. Vamos a eles?

Apostos que olhando esta imagem você não consegue adivinhar quais os 5 tipos que eles destacaram. Diga a verdade: não parecem 4 mules e um tênis?

Mas não, olhem só as nuances:

[1] A primeira trend é CETIM. O sapatinho preto de cima é uma sandália de cetim com nó. Vale para sandálias, scarpins e todos tipos de saltos.

[2] A carmim é um SLIDE PARA NOITE, bordada em cristais e que por acaso também é em cetim – o que parece confirmar a tendência número 1. Além de cristais, esses sapatos para festas, modelo de enfiar o pé tipo chinelo, podem vir com plumas, metais, quaisquer coisas que os deixem “ricos”. E podem ter salto também, de preferência QUADRADO, objeto da trend número 3;

[3] A prata é simplesmente uma MULE, nossa velha conhecida, porém com diferencial de ter o SALTO QUADRADO.

[4] O sneaker está aqui por causa do seu material: a moda agora é que seja de CAMURÇA, mais discreto, sem aplicações e de uma só cor.

[5] E por fim, o destaque da mule vermelha é seu SALTO KITTEN – a foto de abertura também mostra esse tipo de salto. Detalhe: esta mule é de camurça.      Viu como as tendências se entrelaçam?

 

E agora, o que fazemos com essas informações?? Ora, podemos usá-las para quando tivermos que comprar um sapato novo!

Se seu tênis urbano está velho, ao escolher outro que tal lembrar que a camurça parece ser a última novidade para esse calçado? E se você resolver que precisa de uma mule, compre a que tiver salto quadrado ou kitten. Mostre que é antenada!

Não vamos sair comprando peças desnecessárias porque a “moda mudou”. Mas podemos aproveitar nosso conhecimento para comprar melhor, quando for o caso.

E aí, gostaram das novidades, ou passam?…

PS: Gostaria de convidar vocês a conhecerem meu outro blog, o Pílulas de Moda, escolhido como um dos Novos Influenciadores do Ano por Ale Garattoni.

Ano Novo!

Acaba de nascer um novo ano, recém saído do hábito humano de contar o tempo, como se cada dia fosse uma conta de um terço, e este tivesse 365 contas. Acabado o terço, acaba o ano, e começa a contagem novamente. Vamos percorrer as contas como se o fizéssemos pela primeira vez, e nos enchemos de expectativas, projetando como serão os dias deste “novo” ciclo.

Somos seres complexos; não nos basta o ciclo das estações, tão pouco o ciclo da própria vida. Precisamos de calendário e de relógio, não mais nos guiamos pelo nascer e pôr do sol, pelas características de cada estação, pelas folhas que brotam ou caem das árvores. Precisamos de dia e hora, de GPS, de calendário. Criamos a fantasia de que, ao final de um ano, nos livramos de um montão de coisas que não desejamos mais e, ao iniciarmos outro, renovamos as esperanças e abrimos um leque de possibilidades para alcançarmos o que queremos. De certa forma, esperamos que o ano seja diferente do seu antecessor, e esquecemos que nós é que temos que ser diferentes do que temos sido até então…

É fato que existem variáveis externas de um momento para outro. Os amantes de astrologia entendem que momentos diferentes trazem influencias astrológicas diferentes, de acordo com o movimento dos planetas e os desenhos que formam nos céus através de quadraturas, trígonos e sextis. A numerologia também estabelece que cada número vibra em uma determinada frequência, e que esta produz uma influência sobre nós. De qualquer maneira, essas frequências energéticas são sugestões que podemos aproveitar ou não, mas nada nos tira a responsabilidade pelo que fazemos e como fazemos com nossas vidas.

Então, além de torcermos para que o ano novo nos traga o que desejamos obter, talvez devêssemos fazer o contrário também, devêssemos nos comprometer a fazer com que o ano seja uma oportunidade de realização do que sonhamos. Vamos brincar com a ideia?

Imagine que 2017 seja uma criança que acaba de nascer, um bebê que é colocado sobre o nosso colo. Olhamos para ele, damos as boas vindas, comemoramos sua chegada e??… Bem, não podemos esperar que ele cuide de nós, nós é que precisamos nos organizar para cuidar dele. Nós precisamos nos organizar para aproveitar bem seus dias e suas noites, para abrigá-lo como se abriga a um amigo, dar o nosso melhor para que a convivência seja gratificante. Nós precisamos nos movimentar por suas horas com a consciência de quem sabe para onde está indo, aonde pretende chegar. Com a alegria de quem está aberto a fazer novas descobertas, assim como preparado e bem equipado para atravessar as noites escuras, sem estrelas.

Se o caminho até então percorrido não nos atrai mais, que tenhamos coragem para corrigir a rota e fazer todas as mudanças necessárias, sem perder de vista que mudança é processo, demanda tempo, paciência, determinação e trabalho. E sobretudo amor! Amar para mudar, perdoar para mudar, agradecer para mudar. Como bem colocou o grande poeta português, Fernando Pessoa:

“Tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

Que nossas almas se expandam o suficiente para preencherem todos os espaços de 2017; que esses dias que virão sigam o ritmo da alma de cada um de nós, que nossos corações pulsem, vibrem e deem o tom para a espetáculo que acaba de começar. Que possamos compreender que somos os construtores do nosso mundo, e que ele será o resultado daquilo que sonhamos.

Bons sonhos, boas realizações, feliz ano novo!

Em 2017, viva o HOJE

Por que existem calendários, datas, festas? Os animais conhecem os ciclos da natureza instintivamente. Simplesmente sabem quando acasalar, emigrar, hibernar. Já o homem procurou pontuar a vida através de rituais, desenvolveu uma capacidade de encontrar padrões, observando as mudanças na natureza, as constelações no céu. Os calendários são o resultado da nossa necessidade de contar o tempo.

Datas e festas são formas de simbolizar a vida. Se para alguns, o dia 1 de janeiro é simplesmente uma continuação do ano anterior, para outros, trata-se de uma oportunidade imperdível para zerar o cronômetro. Ritualizá-las cria uma organização interna, estabelece um novo marco. E o recomeço pode ser totalmente real, assim como é real a energia de milhões de pessoas acreditando em mudança, expressando esperança. E é real o movimento de deixar para trás o que não serve mais e criar o novo.

Cada um vive o momento como quer ou como pode. Mas, geralmente temos sempre um ritual, seja ele intimista (lista de desejos pessoalíssima), ou compartilhado (nas águas de Iemanjá, por exemplo).

Seja qual for a sua escolha, seja generoso com você mesmo! Generoso com o que foi e com o que vai ser. 2016 está chegando ao fim. Ufa! Que alívio! Mas, não maldiga o ano, encontre gratidão dentro de você. Há sempre o que agradecer, há sempre alguma vitória ou algum aprendizado. Às vezes, mais do que se imagina num primeiro olhar.

Que 2017 seja lindo! Mas, não se atormente com listas impossíveis. Menos é mais. Seja generoso aqui também. Qual aspecto da minha vida pede um real investimento de energia? O que realmente quero potencializar aproveitando esta ocasião? Deixe de fora tudo aquilo que não for um desejo seu, pessoal, verdadeiro, abandone todos os quereres que têm a ver com a necessidade de aceitação e aprovação pelos outros. Você verá que a lista será bem menor, e os objetivos, bem mais fáceis de alcançar.

E lembre-se, na verdade, o único ponto de poder é o HOJE e nesse hoje, o AGORA. Acalme a mente e honre este instante. Ele é tudo que existe. Se a cada minuto fizermos isso, teremos uma vida feliz. Viva um dia de cada vez, acalme a mente, aprecie a sua existência. Em 2017 e sempre.

Felicidades!